Ucrânia marcha ainda mais para terras libertadas, separatistas pedem referendo antecipado

  • Ucrânia diz que suas forças capturaram uma vila perto de Lysizansk
  • O líder separatista deve trabalhar com a Rússia para realizar um referendo
  • “Os ocupantes estão claramente em pânico”, Zelensky
  • Rússia transfere alguns submarinos do Mar Negro – Inglaterra

IZIUM, Ucrânia, 20 Set (Reuters) – A Ucrânia disse que suas tropas marcharam para o leste em território recentemente abandonado pela Rússia, abrindo caminho para um possível ataque às forças de ocupação de Moscou na região de Donbass, enquanto Kiev busca mais armas ocidentais.

“Os ocupantes estão em pânico”, disse o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, em um discurso televisionado na segunda-feira, acrescentando que se concentraria “na velocidade” nas áreas agora liberadas.

“A velocidade com que nossas tropas estão se movendo. A velocidade com que a vida normal é restaurada”, disse Zelenskiy.

Inscreva-se agora para ter acesso gratuito e ilimitado ao Reuters.com

O líder ucraniano indicou que usaria um discurso em vídeo na Assembleia Geral das Nações Unidas na quarta-feira para pedir aos países que agilizem armas e ajuda.

“Estamos fazendo tudo para garantir que as necessidades da Ucrânia sejam atendidas em todos os níveis: segurança, financeiro, econômico, diplomático”, disse Zelensky.

As forças armadas da Ucrânia recuperaram o controle total da vila de Bilohoryvka e estão se preparando para retomar toda a província de Luhansk dos ocupantes russos, disse o governador provincial Serhii Keidai. A vila fica a 10 km (6 milhas) a oeste da cidade de Lysizansk, que caiu para os russos em julho após semanas de combates.

“Haverá uma luta por cada centímetro”, escreveu Gaidai em um telegrama. “O inimigo prepara suas defesas. Portanto, não marchamos simplesmente.”

Luhansk e a província vizinha de Donetsk compõem a região oriental industrializada de Donbass, que Moscou diz querer aproveitar como objetivo principal do que chama de “operação militar especial” na Ucrânia.

READ  FBI recupera 11 conjuntos de documentos em busca de Trump, mostra inventário

Tropas ucranianas começaram a entrar em Luhansk desde que expulsaram as forças russas da província de Kharkiv, no nordeste, em uma contra-ofensiva relâmpago este mês.

Em um sinal do nervosismo do governo apoiado por Moscou no Donbass com o sucesso da última ofensiva da Ucrânia, seu líder pediu um referendo de emergência na região, que faz parte da Rússia.

Denis Bushilin, chefe do governo separatista com sede em Moscou em Donetsk, pediu a seu colega líder separatista em Luhansk que junte esforços para preparar um referendo sobre a adesão à Rússia. consulte Mais informação

Funcionários públicos ucranianos disseram que os combates se limitaram à região de Donetsk nas últimas 24 horas e que as ofensivas russas foram repelidas perto dos assentamentos de Mayorsk, Vesele, Kurdyumivka e Novomykhailivka.

No sul, outra contra-ofensiva ucraniana está progredindo lentamente, com as forças armadas da Ucrânia alegando ter afundado um barco que transportava tropas e equipamentos russos em um rio perto de Nova Khakovka, na região de Kherson.

“Os esforços para construir uma travessia foram interrompidos pelo fogo das forças ucranianas. O barco… tornou-se uma adição à força submarina dos invasores”, disseram os militares em comunicado no Facebook.

A Reuters não pôde verificar independentemente os relatórios do campo de batalha de nenhum dos lados.

A Frota Russa do Mar Negro pode ter movido alguns de seus submarinos do porto de Sebastopol, na Crimeia, para Novorossiysk, no Krasnodar Krai, no sul da Rússia, disseram os militares britânicos nesta terça-feira, devido ao aumento da capacidade de ataque de longo alcance da Ucrânia. consulte Mais informação

Tumbas Grimm

A Ucrânia ainda está avaliando o que aconteceu em áreas que estavam sob controle russo por meses antes que as tropas russas mudassem drasticamente o curso da guerra no início deste mês.

Em um grande cemitério improvisado na floresta perto da cidade recapturada de Izium, especialistas forenses ucranianos desenterraram até agora 146 corpos enterrados sem caixões, disse o governador regional de Kharkiv, Oleh Sinehupov, nesta segunda-feira. Cerca de 450 sepulturas foram encontradas no local, disse Zelensky.

Saindo em grupos sob as árvores, os trabalhadores usaram pás para desenterrar os corpos parcialmente decompostos, alguns dos quais jaziam nas ruas da cidade muito depois de morrerem antes de serem enterrados, disseram moradores.

O governo ainda não disse como a maioria das pessoas morreu, e há indicações de que outras foram mortas por estilhaços, embora autoridades tenham dito que dezenas foram mortas no bombardeio de um prédio de apartamentos.

De acordo com investigações preliminares, quatro pessoas mostraram sinais de tortura, com as mãos amarradas nas costas ou, em um caso, com uma corda amarrada no pescoço, disse Serhiy Bolvinov, chefe da polícia investigativa da região de Kharkiv, à Reuters no local do enterro.

Bolvinov disse que a maioria dos corpos era de civis. Os moradores identificam os mortos combinando nomes com números nas finas cruzes de madeira que marcam as sepulturas. consulte Mais informação

“As mãos dos soldados estavam atadas, havia sinais de tortura em civis”, disse Polvinov. A Ucrânia diz que 17 soldados estavam em uma vala comum no local. consulte Mais informação

READ  Inundações no Kentucky matam 28, chuva e tempestades atingem a região

A Reuters não pôde confirmar as alegações de tortura da Ucrânia.

O Kremlin negou nesta segunda-feira que a Rússia seja responsável pelas atrocidades que, segundo ele, a Ucrânia desencadeou em território recapturado.

“É uma mentira, e é claro que vamos defender a verdade nesta história”, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, comparando as alegações com incidentes anteriores na guerra em que a Rússia disse sem provas que as atrocidades foram cometidas por ucranianos.

Alarme sobre usina nuclear

A Ucrânia acusou nesta segunda-feira as forças russas de bombardeio perto da usina nuclear de Pivdennoukrainsk, na região sul do país, Mykolaiv.

A explosão ocorreu a 300 metros dos reatores pouco depois da meia-noite de segunda-feira e danificou edifícios de usinas de energia, disse a operadora nuclear da Ucrânia Energotom em comunicado.

Os reatores não foram danificados e nenhum funcionário ficou ferido, divulgou fotos mostrando uma grande cratera deixada pela explosão.

“A Rússia está colocando o mundo inteiro em perigo. Devemos pará-lo antes que seja tarde demais”, disse Zelenskiy em um post nas redes sociais.

Os ataques aumentarão as preocupações globais sobre o potencial de um desastre nuclear, alimentado por combates já travados em torno de Zaporizhia, outra usina nuclear no sul, tomada pelas forças russas em março.

Inscreva-se agora para ter acesso gratuito e ilimitado ao Reuters.com

Relatório dos Escritórios da Reuters; Por Rami Ayyub e Michael Perry; Edição por Stephen Coates

Nossos padrões: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.