Papa Francisco visita o Canadá para se desculpar por abuso aborígene em escolas residenciais católicas

O Vaticano chamou a viagem de “peregrinação perdida”, e o papa foi recebido em Edmonton no domingo pelo primeiro-ministro Justin Trudeau e pela governadora canadense Mary Simon.

Enquanto estiver no país, ele se reunirá com grupos tribais e abordará abusos nas escolas residenciais do país e escândalos que destroem a cultura tribal.

Os líderes tribais há muito exigem que o papa se desculpe por décadas de danos causados ​​às crianças tribais. ano passado, Centenas de sepulturas não marcadas Baseado em antigas escolas residenciais na Colúmbia Britânica e Saskatchewan.

A Comissão de Verdade e Reconciliação do Canadá informou que mais de 4.000 aborígenes morreram como resultado de negligência ou abuso em escolas residenciais, muitas das quais administradas pela Igreja Católica.

Em abril, o papa disse aos líderes tribais no Vaticano que “muitos católicos, especialmente aqueles em responsabilidades acadêmicas, sentem remorso e vergonha pelo papel que desempenharam nos abusos que você sofreu, em todas essas coisas que o feriram”. Sua identidade, sua cultura e até mesmo seus valores espirituais não são respeitados.”

Durante esta viagem, o Papa também visitará Quebec, capital de Nunavut, no Canadá, e Iqaluit. Dois cardeais canadenses o acompanharão durante sua visita, o cardeal Mark Olette e o cardeal Michael Czerny.

Francis, 85, cancelou uma viagem à África no início deste mês devido a problemas no joelho.

Em entrevista à Reuters, ele disse que ainda queria visitar Rússia Ele atraiu críticas por seguir a invasão da Ucrânia pelo país, mas por priorizar esse objetivo em vez de ir para a Ucrânia e por culpar parcialmente a OTAN pela invasão da Rússia.

“Eu quero ir, posso ir para a Ucrânia. Primeiro quero ir para a Rússia e tentar ajudar, mas quero ir para as duas capitais”, disse Francisco.

READ  Mercados de ações globais sobem, dados de inflação de rendimentos do Tesouro caem

Em uma entrevista em junho ao jornal italiano La Stampa, Francisco disse que a guerra “pode ​​ter sido provocada de alguma forma ou não evitada”.

O papa Francisco disse que se encontrou com “um chefe de Estado que está muito preocupado com a forma como a Otan está se movendo” antes de a Rússia invadir a Ucrânia.

Hada Mesia e Ratina Zikova, da CNN, contribuíram com reportagens.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.