Ligue-se a nós

Famosos

Ex-funcionários apontam o dedo a Mané Ribeiro e marido devido ao incumprimento da empresa

Rufino Teixeira

Publicado

no

Terão sido pelo menos dois ordenados, que os vários funcionários da revista Baton ficaram. A última edição foi publicada em junho de 2017. E é neste sentido que as ex-funcionárias falam à TV 7 Dias do calvário por que passaram na fase final do projeto. 

Segundo uma dessas ex-funcionárias, a administração da revista justificava os atrasos nos pagamentos por não haver “dinheiro, que os sócios não tinham dinheiro, nem quem estava à frente da própria revista, que era o Tiago Galvão Teles e a Mané e que o outro sócio, o Paulo Lopo, já não estava a investir mais dinheiro na revista. Nem a publicidade dava dinheiro, porque como era uma revista que não estava há um ano na banca, o dinheiro que vinha da publicidade era pouco. Entretanto, acho que aquilo apanhou a falência da Urbanos, que distribuía a nossa revista, e acho que a própria Urbanos lhes ficou a dever as vendas das duas últimas revistas, ou qualquer coisa assim“. 

Com os dois meses de atraso, nos pagamentos, as funcionárias decidiram não irem trabalhar mais. “Eles ficaram de nos dizer quando é que nos pagariam para voltarmos. Nós ficámos em casa à espera que nos dissessem alguma coisa, mas nunca disseram nada.

Veja também:   Pai de Carolina Patrocínio encontra-se internado

Confrontada com esta questão, Mané Ribeiro explica: “Eu não vou fazer declarações acerca disso. É um assunto que tem a ver com a direção geral da revista Baton, que neste momento, inclusivamente, já não existe em papel. Não me compete a mim estar a falar sobre isso.

Já Tiago Galvão Teles admite a existência de dívidas, prometendo a sua liquidação para breve. “Não paguei porque a empresa não tinha capacidade financeira. Mas, independentemente disso, eu só pagaria depois de me passarem os recibos em atraso, que não me passaram“. Por isso, os pagamentos ficarão a seu cargo. “Agora, vou pagar é com o meu próprio dinheiro e para isso também tenho de estar estruturado para poder fazê-lo“. 

23 anos. Estudante de Geografia na FLUP. Um apaixonado pela cultura, comunicação, pelo território e pela sociedade. Um defensor do equilíbrio "homem-terra", daí defender teorias de conservação e gestão da natureza. Está no MAISTV como fundador e administrador geral.

Anúncio
💬 COMENTÁRIOS | CLIQUE AQUI PARA VER E COMENTAR

Facebook

Anúncio

Mais vistas