Angela Merkel diz que guerra na Rússia é brutal

Após suas conversas no Palácio Marinsky em Kiev, em 22 de agosto de 2021, a chanceler alemã Angela Merkel dá uma entrevista coletiva conjunta com o presidente ucraniano.

Sergei Tolshenko | AFP | Imagens Getty

A ex-chanceler alemã Angela Merkel, em seu primeiro discurso público desde que deixou o cargo em dezembro do ano passado, condenou à força a guerra da Rússia na Ucrânia.

Por um lado, Merkel não quis oferecer conselhos, descrevendo a invasão da Ucrânia pela Rússia como uma “guerra bárbara de agressão”, um “ponto de virada de longo alcance” e uma “violação mais óbvia do direito internacional” na Europa após a Guerra Mundial. II.

“Minha solidariedade vai para a Ucrânia, que foi atacada e atacada pela Rússia”, disse o ex-líder em um evento sindical alemão em Berlim na noite de quarta-feira, dizendo que o direito da Ucrânia de se defender é inegável.

Merkel, que liderou a Alemanha por 16 anos, esteve sob intenso escrutínio nos últimos meses pela história das relações amistosas com o presidente russo, Vladimir Putin, e pela conquista da expansão dos laços econômicos entre a Rússia e a Alemanha.

Muitos o criticam por aumentar a dependência da Alemanha das importações de energia russas, especialmente com a instalação do primeiro gasoduto Nord Stream entre os dois países. Ele também foi a força motriz por trás do agora extinto oleoduto Nord Stream 2, abandonado por seu antecessor Olaf Scholes pouco antes do início da invasão da Ucrânia pela Rússia.

A chanceler alemã Angela Merkel (à direita) e o presidente russo Vladimir Putin (à esquerda) participarão da sessão completa da cúpula do G20 em 7 de julho de 2017.

Michael Svetlov / Getty Images

Merkel não respondeu diretamente a essas críticas. Pouco depois de a Rússia iniciar sua invasão, Merkel emitiu uma breve declaração dizendo que não havia justificativa para violar a lei internacional.

READ  A estrela dos Angels, Mike Trudeau, ri de perguntas sobre a 'lendária' liga de futebol de fantasia

Mas seu silêncio desde então irritou muitos críticos que acusam Putin de execução. Merkel insistiu em manter contato e engajamento com Putin mesmo após a anexação da península da Crimeia pela Ucrânia a Putin em 2014 e mesmo após a invasão do leste da Ucrânia, o que levou a sanções da UE à Rússia.

A CNBC entrou em contato com o chanceler alemão para comentar.

Scholes, o antecessor de Merkel, agora enfrenta a tarefa de entregar esse registro e supervisiona alguns. As mudanças mais dramáticas na política externa alemã Desde o fim da Segunda Guerra Mundial – ou seja, a Alemanha concordou em aumentar os gastos militares e enviar armas para uma zona de conflito em apoio à Ucrânia.

Scholz disse na quarta-feira que a Alemanha enviará seu sistema de defesa aérea IRIS-T para a Ucrânia, em meio a críticas de que seu governo ainda não fez o suficiente para defender a Ucrânia contra a Rússia.

Na quarta-feira, a Comissão Parlamentar de Orçamento da Alemanha aprovou um fundo histórico de 100 bilhões de euros (US$ 106 bilhões) para as forças armadas do país, que irá ao parlamento na sexta-feira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.