Jorge Gabriel é um dos rostos mais conhecidos da RTP. Aos 50 anos, o apresentador faz parte de ‘A Praça’, gravada no Porto. Segundo o próprio, faz todo o sentido. “Se todos os programas da manhã fossem feitos em Lisboa, 60 por cento dos portugueses ficavam sem uma montra onde expor a sua voz, o seu trabalho, a sua cultura“, explica à TV Guia. Já sobre os resultados de ‘A Praça‘, Jorge mostra-se esperançoso. “Nunca estou completamente satisfeito. Acho que posso sempre fazer melhor amanhã.”

Já sobre a nova administração, Jorge que à data da entrevista ainda não sabia que José Fragoso ia assumir a pasta dos programas, assumiu conhecer o seu superior. “Conheço o Fragoso desde o tempo da SIC. Tenho muita confiança com ele. Já jogámos à bola, foi meu chefe de redacção na SIC e depois meu director na RTP.”

Já sobre a postura que tomou ao institucionalizar o seu pai num lar, Jorge assume que foi apenas uma decisão triste. “Sim, mas há muitos anos que o meu pai sabia que inevitavelmente deixaria de viver sozinho a partir de um determinado ponto da sua existência. Porque as faculdades não eram as mesmas, porque a mobilidade não lhe permitia descer os famosos 72 degraus do prédio onde morava. Um acidente grave, um susto grande, acelerou uma conversa mais séria e fez com que nos deixássemos de propostas. Depois do susto, foi ele quem tomou a decisão de ir para um local onde pudesse estar acompanhado 24 horas por dia com técnicos especializados.”

Não vou querer que um dia os meus filhos me entrem dentro de casa e me imponham o meu destino. Isso não admito“, exclama sobre o seu futuro.